A lenda do Caboclo D´água: uma trajetória enunciativa folkcomunicativa

Simome dos Santos Mendes

Resumo


Se verdade ou mentira, o fato é que a lenda do Caboclo D’água, presente em várias cidades brasileiras, está mais viva do que nunca. De 2009 para cá, a lenda se transformou em um fenômeno midiático, que teve como implicações mais imediatas a inauguração de uma estátua de dois metros na entrada da cidade de Barra Longa/MG e a criação de uma Associação de Caçadores de Assombrações, que vem se dedicando à captura do Caboclo D’água, oferecendo, inclusive, um prêmio de R$ 10.000,00 para quem conseguir tirar uma foto da criatura. Diante disso, o presente trabalho objetiva analisar, do ponto de vista discursivo, a (re)construção moderna da lenda por veículos midiáticos e por moradores que afirmam terem visto a criatura. Além disso, pretende-se refletir sobre os impactos da midiatização sofridos pela lenda, do ponto de vista de sua construção linguageira. O aporte teórico utilizado por nós está ligado ao conceito de arquivo , de Foucault (1995), de folkcomunicação (BELTRÃO, 1967), de folkmídia (LUYTEN, 2002) e das reflexões de Bravin (2011) sobre a repercussão da lenda em jornais impressos e na internet.

Palavras-chave


Análise do Discurso; Arquivo; Folkcomunicação; Folclore; Lenda do Caboclo D´água.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Caletroscópio - Revista do Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos da Linguagem da Universidade Federal de Ouro Preto

ISSN (on-line): 2318-4574  - Qualis CAPES: B2


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional