A formação de um cânone para o século XIX Brasileiro: a força de Machado de Assis

ANDRÉA SIRIHAL WERKEMA

Resumo


Trata-se de discutir as hipóteses, aparentemente óbvias, de leitura da história literária brasileira pelo viés de Machado de Assis: a instituição de um continuum, ou série literária em nossa história da literatura, já seria visível para o crítico Machado de Assis — leia-se “Instinto de nacionalidade” (1873) e “A nova geração” (1879). Isso, nem preciso dizer, tem impacto inegável sobre sua obra ficcional, nos romances e nos contos: tais hipóteses nos levariam à conclusão bastante evidente de que a mudança de rumos na ficção machadiana obedece a uma avaliação do terreno literário circundante, entre outras coisas. Dessa maneira, Machado é também responsável, para o bem e para o mal, pelo cânone oitocentista brasileiro, sobre o qual teria não só atuado conscientemente como influenciado a posteriori.

Palavras-chave


História da literatura; Crítica literária; Machado de Assis; Cânone

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Caletroscópio - Revista do Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos da Linguagem da Universidade Federal de Ouro Preto

ISSN (on-line): 2318-4574  - Qualis CAPES: B2


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional