Os discursos prefaciais acerca do Quixote

Maria Gabriella Flores Severo Fonseca

Resumo


Neste artigo, analisamos dois prefácios escritos a edições brasileiras do Quixote com o intuito de perceber as interpretações que são feitas sobre o romance. Baseamos nossas análises no estudo sobre a recepção do Quixote no Brasil, realizado pela cervantista Maria Augusta da Costa Vieira. Suas análises podem permitir compreender os tipos de leituras feitas sobre a obra, a saber, um discurso realista, que compreende a questão satírica como central na obra, ou um discurso romântico, que adequa a interpretação a questões exteriores ao contexto da escrita de Cervantes. Conclui-se, portanto, que a realização das análises dos prefácios das edições do Quixote contribui para o enriquecimento de seu estudo crítico, pois não se considera os paratextos elementos menores de um livro, mas se entende que o leitor toma o livro em toda sua materialidade, e os paratextos fazem parte de sua apreensão e influenciam a leitura da obra literária.


Palavras-chave


Quixote; Prefácio; Recepção crítica; Edições brasileiras; Romance.

Texto completo:

PDF

Referências


BURKE, P. Culturas da tradução nos primórdios da Europa Moderna. In: BURKE, P.; HSIA, R. P. C. (org). A Tradução cultural nos primórdios da Europa Moderna, São Paulo, UNESP, 2009.

_______.Traduzindo histórias. In: BURKE, P.; HSIA, R. P. C. (org). A Tradução cultural nos primórdios da Europa Moderna, São Paulo, UNESP, 2009.

CHARTIER, R. Textos, impressões, leituras. In: HUNT, L. A nova História Cultural, São Paulo, Martins Fontes, 1992.

COBELO, S. Historiografia das traduções do Quixote publicadas no Brasil: Provérbios do Sancho Pança. 2009. 253 f. (Dissertação de Mestrado em Letras), Programa de Pós Graduação em Língua Espanhola e Literatura Espanhola e Hispano-americana, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 16/09/2016.

GENETTE, G. Paratextos editoriais, São Paulo, Ateliê Editorial, 2009.

KORACAKIS, T. A companhia e as Letras: Um estudo sobre o papel do editor na Literatura. 2006, 204 f., (Tese de Doutorado em Literatura Comparada), Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 16/09/2016.

ONÍS, F. de. Prefácio. In: CERVANTES. D. Quixote de La Mancha, Rio de Janeiro, W. M. Jackson Inc. Editores, 1952.

RODRÍGUEZ, M. P. Tras un siglo de recepción cervantina en Brasil: estudios críticos sobre el Quijote (1900-2000). 2007. 254 f. (Tese de Mestrado), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 16/09/2016.

REGUERA, J. M. La huella cervantista americana de la escuela filológica española, Olivar: revista de literatura y cultura españolas, La Rioja, ano 6, no. 6., p. 23-42, 2005 Disponível em: . Acesso em: 16/09/2016.

RUTHERFORD, J. Introdução. In: CERVANTES, M. de. Dom Quixote de la Mancha, São Paulo, Companhia das Letras, 2012.

TORRES, M. H. C. Traduzir o Brasil Literário: Paratexto e discurso de acompanhamento, Tubarão, Copiart, 2011.

VASCONCELOS, S. G. T. Dez lições sobre o romance inglês do século XVIII, São Paulo, Boitempo Editorial, 2002.

VIEIRA, M. A. da C. A narrativa engenhosa de Miguel de Cervantes: Estudos cervantinos e recepção crítica do Quixote no Brasil, São Paulo, Edusp, 2012.

_______. A recepção crítica do Quixote no Brasil. In: _______. (org.). Dom Quixote: A letra e os caminhos, São Paulo, Edusp, 2006.

_______. O dito pelo não dito: paradoxos de Dom Quixote, São Paulo, Edusp, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Caletroscópio - Revista do Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos da Linguagem da Universidade Federal de Ouro Preto

ISSN (on-line): 2318-4574  - Qualis CAPES: B2


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional