O Apocalipse de Macbeth (1606)

Ana Claudia de Souza de Oliveira

Resumo


O legado criativo de Shakespeare é marcado pela arte da apropriação de obras de seu tempo e de eras passadas, como textos clássicos greco-romanos, mitologias, escritos medievais e renascentistas e outros. Ele inseriu em seus escritos inúmeros intertextos oriundos de múltiplas fontes, entre eles centenas de referências bíblicas. O presente artigo examina as tessituras bíblicas que permeiam a tragédia shakespeariana de Macbeth. O objetivo é evidenciar que o dramaturgo incorporou várias passagens e temas que encontrou na Bíblia. Por meio do método analítico-comparativo, o artigo mostra como Shakespeare realizou tais apropriações e como conseguiu contextualizá-las e ressignificá-las. Os principais recursos intertextuais usados por Shakespeare em seu processo escritural, tais como a citação, a alusão e a analogia, foram explorados à luz de considerações críticas teorizadas por Mikhail Bakhtin, Dominique Maingueneau e Tiphaine Samoyault.

O legado criativo de Shakespeare é marcado pela arte da apropriação de obras de seu tempo e de eras passadas, como textos clássicos greco-romanos, mitologias, escritos medievais e renascentistas e outros. Ele inseriu em seus escritos inúmeros intertextos oriundos de múltiplas fontes, entre eles centenas de referências bíblicas. O presente artigo examina as tessituras bíblicas que permeiam a tragédia shakespeariana de Macbeth. O objetivo é evidenciar que o dramaturgo incorporou várias passagens e temas que encontrou na Bíblia. Por meio do método analítico-comparativo, o artigo mostra como Shakespeare realizou tais apropriações e como conseguiu contextualizá-las e ressignificá-las. Os principais recursos intertextuais usados por Shakespeare em seu processo escritural, tais como a citação, a alusão e a analogia, foram explorados à luz de considerações críticas teorizadas por Mikhail Bakhtin, Dominique Maingueneau e Tiphaine Samoyault.


Texto completo:

PDF

Referências


A BÍBLIA SAGRADA. Tradução de João Ferreira de Almeida. Edição Corrigida e Revisada Fiel ao Texto Original. São Paulo: Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, 2007.

BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: A teoria do romance. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini et al. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2010. 429 p.

_______. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

CAMATI, A. A Importância do contexto histórico. Texto dado em aula. Curitiba: 2014.

DICIONÁRIO E ENCICLOPÉDIAS INFOPEDIA. Porto Editora. Disponível em: . Acessado em: 12 ago. 2016.

HAMLIN, H. The Bible in Shakespeare. Oxford Press: Inglaterra, 2013.

HONAN, P. Shakespeare: uma vida. Tradução de Sonia Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

LEÃO, L. de C.; SANTOS, M. S. dos (org.). Shakespeare: sua época e sua obra. Curitiba: Editora Beatrice, 2008. 360 p.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. 3. ed. São Paulo: Pontes, 1997. 198 p.

MARX, S. Shakespeare and the Bible. Oxford University Press, 2013.

NITRINI, S. Literatura Comparada: História, teoria e crítica. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2010.

PLATÃO. Íon (ou sobre a Ilíada, gênero probatório). Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2015.

SAMOYAULT, T. A intertextualidade. Tradução de Sandra Nitrini. São Paulo: Aderaldo & Rotschild, 2008.

SHAKESPEARE, W. Macbeth. Tradução de Barbara Heliodora. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

_______. Macbeth. Tradução de Manuel Bandeira. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

_______. Macbeth. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Caletroscópio - Revista do Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos da Linguagem da Universidade Federal de Ouro Preto

ISSN (on-line): 2318-4574  - Qualis CAPES: B2


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional