A prática discursiva editorial: leitura monocromática, enciclopédias e precarização

Thiago Mattos, Phellipe Marcel da Silva Esteves

Resumo


Das perspectivas da História do Livro e da Análise do Discurso, pretendemos investigar de que modo o sistema editorial brasileiro, por meio da base material linguística e também das condições materiais de produção/existência de seus trabalhadores e livros, faz circular sentidos sobre literatura, tradução, trabalho e ciência. Empreendemos aqui uma análise de como as editoras escolhem seus lançamentos e seus nichos hoje, por meio da investigação de tendências e gestos editoriais que comparecem em seus títulos, em suas páginas de créditos, na decisão de participação de eventos literários etc. Recentemente, ao se inscreverem numa prática de esvaziamento de determinadas editorias, as grandes casas editoriais privilegiam, de modo geral, livros traduzidos da língua inglesa ou livros que provocam efeitos de sentido conservadores. Pretendemos também nos questionar se há espaço para resistência nesses discursos em circulação no sistema e na prática editoriais. Ao final, apontamos para possíveis movimentos e discursos de resistência no sistema editorial.


Texto completo:

PDF

Referências


AIRA, C. César Aira lança ‘Haikus’ e defende editoras independentes (entrevista). O Globo, 09 jun. 2012.

ANTUNES, R; ALVES, G. As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, 2004.

AZEVEDO, C. ‘Editar bem poesia é aceitar editar antimercadoria’, diz escritor. Entrevista realizada por Paulo Werneck. Ilustríssima [Folha de S. Paulo], 17 set. 2011.

ESTEVES, P. M. da S. E. A produção de uma enciclopédia do porvir: política linguística e projeção de uma disciplina. Matraga, v. 23, n. 38. Rio de Janeiro: UERJ, 2016.

_______. O que se pode e se deve comer: uma leitura discursiva sobre sujeito e alimentação nas enciclopédias brasileiras (1863-1973). Tese (Doutorado). Niterói: Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, 2014.

EVEN-ZOHAR, I. The Relations between Primary and Secondary System in the Literary Polysystem. Papers in Historical Poetics. TelAviv: Porter Institute for PoeticsandSemiotics, p. 14-20, 1978.

FONTES, V. A incorporação subalterna brasileira ao capital-imperialismo. Crítica Marxista, n. 36. Unicamp: Cemarx, 2013.

ILUSTRADA. “Os eleitos: Escolha, pela revista britânica “Granta”, dos 20 “melhores jovens escritores brasileiros” reaviva debate sobre critérios e marcas para definir gerações literárias”. Ilustrada [Folha de S.Paulo]. São Paulo: 16 jul. 2012.

LEFEVERE, A. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Trad.: Claudia Mattos Seligmann. Bauru: Edusc, 2007 [1992].

LORIMER, R. Ultra Libris: Policy, Technology, and the Creative Economy of Book Publishing in Canada, Toronto: ECW Press, 2012.

MEDEIROS, G. de; SCHNAIDERMAN, B. S. Entrevista com Boris Solomônovitch Schnaiderman. Revista USP, São Paulo, n. 75, p. 86-100, set./nov. 2007.

MÉRITO. Enciclopédia brasileira Mérito. São Paulo: Editora Mérito, 1958.

NUNES, J. H. Para uma história do discurso enciclopédico no Brasil. Anais do XXVII Encontro Nacional da Anpoll. Niterói: UFF, 2012.

ORLANDI, E. A linguagem e seu funcionamento. Campinas: Pontes, 1996.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4. ed. Trad.: Eni Orlandi et alii. Campinas: Editora da Unicamp, 2009 [1975].

PUBLISHNEWS. Saraiva e Record demitem: Entre os demitidos estão Daniel Louzada (Saraiva) e Sérgio França (Record). 11 ago. 2015.

SAPIRO, G. (dir.) Translatio, Le marché de la traduction en France à l’heure de la mondialisation. Paris: CNRS Éditions, 2008.

SILVEIRA, Ê. Editando o editor, v. 3. Entrevistado por Marta Assis de Almeida, Magalo Oliveira Fernandes, Mirian Senra; Organização de Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

TOURY, G. Descriptive translation studies and beyond. Amsterdam/Filadélfia: John Benjamins, 1995.

WOLIKOW, S. História do livro e da edição no mundo comunista europeu. In: DEAECTO, M. M.; MOLLIER, J. Y. (orgs.). Edição e revolução: leituras comunistas no Brasil e na França. Cotia: Ateliê Editorial ; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Caletroscópio - Revista do Programa de Pós-graduação em Letras: Estudos da Linguagem da Universidade Federal de Ouro Preto

ISSN (on-line): 2318-4574  - Qualis CAPES: B2


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional